Colesterol Alto: Estudo Aponta Risco de Câncer de Mama

Cientistas identificam forte conexão entre colesterol alto e o risco aumentado de câncer de mama em mulheres.

Florianópolis – Um estudo recente apresentado no Fronteiras em Biologia Cardiovascular em Barcelona, ​​Espanha, revela uma ligação intrigante entre o colesterol alto e o risco de câncer de mama em mulheres. A pesquisa, liderada pelo Dr. Rahul Potluri, fundador da Unidade de Estudo do ACALM, sugere que mulheres com níveis elevados de LDL podem ter um risco significativamente maior de desenvolver a doença ao longo de 14 anos.

O estudo acompanhou mais de 1 milhão de pacientes durante 14 anos. Essa abrangência oferece dados robustos que sustentam a conexão entre colesterol e câncer de mama.

Um estudo apresentado no Fronteiras em Biologia Cardiovascular em Barcelona, Espanha, investigou essa ligação em mais de 1 milhão de pacientes ao longo de 14 anos no Reino Unido. Os resultados preliminares, mas fortes, sugerem que mulheres com níveis elevados de colesterol LDL (“mau” colesterol) apresentaram um risco 25% maior de desenvolver câncer de mama do que mulheres com níveis mais baixos.

O Dr. Rahul Potluri, autor do estudo e fundador da Unidade de Estudo do ACALM, destaca: “Nosso estudo preliminar sugere que mulheres com colesterol alto podem ter um risco aumentado de câncer de mama. Isso levanta a possibilidade de que estatinas, medicamentos que reduzem o colesterol, possam ser utilizadas na prevenção do câncer de mama. No entanto, mais pesquisas são necessárias para confirmar essa hipótese.”

Dr. Rahul Potluri, fundador da Unidade de Estudo do ACALM e autor do estudo, disse: “Nosso estudo preliminar sugere que as mulheres com níveis elevados de colesterol no sangue podem estar em maior risco de contrair câncer de mama. Isso levanta a possibilidade de prevenir o câncer de mama com estatinas, que reduzem o colesterol, mas como este é um estudo ainda está no começo e mais pesquisas são necessárias.”

Nos EUA, mudanças recentes nas diretrizes de colesterol pela American Heart Association e pelo American College of Cardiology significam que os médicos incluem o LDL, como parte de um cálculo de risco de doença cardíaca que inclui a idade, história de tabagismo, pressão sanguínea e diabetes. Nas orientações anteriores, os níveis entre 200mg/dL e 239 mg / dL foram considerados altos.)

O Dr. Potluri enfatiza:Descobrimos que mulheres com níveis elevados de LDL têm maior probabilidade de desenvolver câncer de mama. Embora este estudo seja observacional e não possa determinar a causalidade, a força da associação merece investigação mais aprofundada.”

Um estudo prospectivo que acompanhe o risco de câncer de mama em mulheres com e sem colesterol alto é crucial para confirmar os resultados. Se a ligação for validada, o próximo passo seria avaliar se a redução do colesterol com estatinas pode diminuir o risco da doença.

O Dr. Potluri acrescenta: “As estatinas são acessíveis, widely available e relativamente seguras. Em 10 a 15 anos, podemos ter um ensaio clínico testando o efeito das estatinas na incidência de câncer de mama. Se bem sucedido, as estatinas podem ter um papel importante na prevenção do câncer de mama, especialmente em grupos de alto risco, como mulheres com LDL acima do níveis acima do recomendado.”

Embora o estudo seja preliminar, os resultados são promissores e abrem caminho para pesquisas futuras que podem ter um grande impacto na saúde das mulheres.

ai/UNO
Fonte: www.escardio.org

UNOPress
UNOPress
A UNOPress é uma Agência de Marketing Digital especializada em Assessoria de Imprensa e Marketing de Conteúdo. Produz conteúdo para diversas empresas que buscam Page Authority e Domain Authority.

Deixe um comentário

Por digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

Compartilhar:

Receba Notícias

Posts Relacionados

Mais Recentes